CTG Brasil participa de Webinar sobre Gestão de Reservatórios

Evento será realizado pelo CBHRP e REBOB no dia 27/8, em comemoração ao Dia do Rio Paranapanema, e contará com a participação do ONS, da ANA, da ONG TNC e outras empresas do setor de geração hidrelétrica

A CTG Brasil, concessionária de oito usinas hidrelétricas no Rio Paranapanema, participa, no dia 27 de agosto, a partir das 9h, de um webinar sobre gestão dos reservatórios do Paranapanema. O evento, com inscrições gratuitas e aberto ao público, ocorre na data do aniversário do rio, um dos mais importantes da bacia hidrográfica brasileira.

Realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranapanema (CBHRP) e pela Rede Brasil de Organismos de Bacias Hidrográficas (REBOB), com o apoio da CTG Brasil, o seminário online tem como objetivo apresentar, esclarecer e dialogar com a sociedade e as comunidades do entorno da bacia sobre a gestão dos reservatórios no Rio Paranapanema, além de apresentar as ações que estão sendo desenvolvidas para minimizar os impactos que a seca prolongada tem causado no nível dos reservatórios localizados ao longo do rio.

O evento contará com palestras de importantes órgãos reguladores do setor elétrico, como o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e a Agência Nacional de Águas (ANA), além da ONG The Nature Conservancy e de outras empresas do setor de geração que também atuam no Rio Paranapanema, além da CTG Brasil.

“Grande parte das nossas operações está localizada no rio Paranapanema, que é de extrema relevância para o setor elétrico, para a população e para os diversos municípios no entorno dos reservatórios. Nós buscamos promover o desenvolvimento sustentável por meio da geração de energia limpa e abrir esse diálogo com a sociedade é essencial para alcançarmos esse objetivo”, afirma Márcio Peres, diretor de Gestão de Ativos de Geração da CTG Brasil.

Vale ressaltar que o Rio Paranapanema é responsável por 5% de toda produção elétrica no Brasil e, desde outubro de 2018, atravessa uma severa crise hídrica, ocasionada pela falta de chuvas na região.

Para participar do webinar “Gestão dos Reservatórios do Rio Paranapanema”, é preciso efetuar a inscrição gratuita pelo link http://bit.ly/webinar_paranapanema até o dia 26/8. O é aberto ao público e será realizado das 9h ao meio-dia.

 

Webinar Gestão dos Reservatórios do Rio Paranapanema

Dia 27/8, quinta-feira, das 9h às 12h

Inscrições gratuitas pelo link http://bit.ly/webinar_paranapanema

 

Programação

9h – Abertura | CBHRP, REBOB, Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo

 

9h15 – Palestras

  • Os Reservatórios na Bacia Hidrográfica do Rio Paranapanema | CBHRP
  • A Gestão dos Reservatórios: Objetivos e Competências e o Papel da Sala de Crise do Paranapanema | ANA
  • A Gestão dos Reservatórios e a Importância para o SIN | ONS
  • Os Fatores Climáticos e seus Impactos aos Ecossistemas de Água Doce | ONG TNC
  • A Atuação das Concessionárias nos Reservatórios | CTG Brasil, Copel, Votorantim

11h às 12h – Diálogo com os participantes

12h – Encerramento

 

Mais informações:

secretaria@paranapanema.org

(14) 3316-9290

CTG Brasil antecipa troca de transformadores em modernização da Usina Hidrelétrica Ilha Solteira

WEG é responsável pela entrega de 21 transformadores de potência para geração de energia 100% limpa

– A CTG Brasil, uma das líderes em geração de energia limpa no País, anuncia a antecipação da substituição de 21 transformadores de potência na Usina Hidrelétrica Ilha Solteira, como parte do projeto de modernização que vem sendo conduzido pela empresa desde 2017. Inicialmente, a troca dos equipamentos estava prevista para ocorrer de forma escalonada ao longo dos dez anos de projeto – até 2027 -, mas pôde ser antecipada graças à parceria com a WEG, empresa global de equipamentos eletroeletrônicos, que atuou com agilidade na entrega dos equipamentos.

“Realizando ensaios preventivos, percebemos que antecipar a modernização dos transformadores seria importante para aumentar a disponibilidade de geração em Ilha Solteira, além de reforçar a segurança na usina”, afirmou Evandro Vasconcelos, vice-presidente de Geração e Comercialização da CTG Brasil. Para o executivo, “poder contar com um parceiro de alta qualidade como a WEG foi crucial nessa tomada de decisão”.

Os novos transformadores têm expectativa de vida útil de pelo menos 35 anos, com alta eficiência energética, potência 20,6% maior do que o modelo anterior e sistema digital de monitoramento. “Estes transformadores irão não só substituir os equipamentos antigos, mas também evitar interrupções na geração de energia e garantir a operação da usina durante a concessão, minimizando riscos operacionais e de desligamento ou parada de máquinas”, explica Carlos Diether Prinz, Diretor Superintendente da WEG T&D.

A parceria entre a CTG Brasil e a WEG beneficia diversas operações da geradora de energia limpa. Além do fornecimento de transformadores de potência para Ilha Solteira, a WEG forneceu, recentemente, equipamentos para melhorias nas usinas Salto Grande, Rosana, Taquaruçu e Garibaldi, todas administradas pela CTG Brasil. Ainda há mais uma entrega da parceria prevista para julho, com destino à Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Retiro.

Modernização a todo vapor

A CTG Brasil segue em frente com seu cronograma de modernização das hidrelétricas Jupiá e Ilha Solteira, que envolvem também outros equipamentos, como as turbinas e geradores das usinas. De acordo com Vasconcelos, “esse processo é fundamental para contribuirmos com o desenvolvimento do País a partir da qualidade e segurança na geração de energia elétrica de forma 100% limpa e renovável, atividade essencial para o funcionamento do Brasil. Também é importante ressaltar que, neste período de pandemia, todo o trabalho vem sendo realizado em conformidade com as recomendações das autoridades de saúde, em respeito à vida dos nossos colaboradores, parceiros e de toda a sociedade”.

Juntas, Ilha Solteira e Jupiá somam 5 GW de capacidade instalada de energia limpa, o suficiente para atender a demanda de mais de 2 milhões de brasileiros. O projeto de modernização das usinas deve ser concluído até 2027, com investimento total de R$ 3 bilhões, representando o maior projeto de modernização de hidrelétricas da história do Brasil.

CTG Brasil e Ashoka lançam iniciativa de inovação em turismo sustentável

A iniciativa vai apoiar projetos com recursos financeiros, mentoria e mapeamento de tendências, no momento em que o setor do turismo precisa se reinventar diante da pandemia

Você tem uma iniciativa inovadora em Turismo Sustentável, que promova a transformação social e o desenvolvimento local? Esta pergunta é o ponto de partida do projeto Trilhando a transformação: Desafio de Inovações em Turismo Sustentável, que abre suas inscrições em 1o de julho para premiartrês inovações sociais que apresentem propostas transformadoras de desenvolvimento e gestão do turismo. Cada vencedor do desafio receberá R$ 100 mil, além de participar de um processo de mentoria e aceleração em 2021.

O desafio é realizado pela CTG Brasil e a Ashoka e busca apoiar projetos de turismo que promovam o desenvolvimento local, gerem transformação social, fortaleçam as comunidades como protagonistas e se estruturem a partir da colaboração de diversos atores. Propostas que reforcem questões de diversidade, inclusivas, afirmativas, de gênero e raciais serão especialmente valorizadas. As inscrições devem ser feitas neste link até 31 de agosto.

De acordo com a diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da CTG Brasil, Salete Hora, “impulsionar o turismo sustentável no País se torna ainda mais urgente e relevante diante dos impactos da pandemia de Covid-19”. Para ela, “é cada vez mais evidente a necessidade de que governos, comunidades e organizações mundiais atuem ao lado de empresas, cidadãos, consumidores e sociedade civil para alcançar objetivos de transformação dos modelos existentes, recuperação do setor nesse momento de crise e desenvolvimento das comunidades de forma mais sustentável. Queremos oferecer apoio para consolidar e acelerar esses processos”.

Rafael Murta Reis, líder da estratégia de empreendedorismo social da Ashoka Brasil explica que, no âmbito do desafio, o turismo sustentável pode ser entendido como um importante vetor de desenvolvimento local. “A atividade turística possui grande relevância para os territórios, principalmente quando assume papel transformador, promovendo a inovação, a economia local, a inclusão, a educação, a valorização de culturas e a preservação do meio ambiente, entre muitos outros benefícios”, avalia.

O desafio vai apoiar soluções inovadoras em todo o território nacional, pautadas em construir novos modelos de turismo estruturados nos quatro pilares da sustentabilidade: social, cultural, ambiental e econômico. As candidaturas devem estar relacionadas a pelo menos duas dessas dimensões.

 

Uma nova trilha para o Turismo

Com seus sete mil quilômetros de praias, a maior floresta tropical do mundo, uma densa biodiversidade e a maior reserva de água doce do planeta, com rios extensos e de grande volume de água, o Brasil tem no turismo um segmento fundamental para inúmeros campos do desenvolvimento. Estima-se que o setor seja responsável por empregar mais de 2 milhões de brasileiros, de acordo com dados do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, de 2018).

A atividade turística, no entanto, foi uma das mais afetadas pela  Covid-19 e pelas medidas de isolamento social. No Brasil, as perdas do setor são estimadas em R$ 62 bilhões para 2020.  Se o setor já vinha se mobilizando para buscar novas formas de democratizar oportunidades e benefícios no turismo, com a pandemia  enfrenta o desafio de se reconstruir por completo, diante de um cenário que requer mais segurança e sustentabilidade.

A CTG Brasil, uma das líderes em geração de energia renovável no País, está investindo um total de R$ 2,1 milhões no projeto, por meio de recursos financeiros destinados pela empresa ao Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica, promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

 

Prêmios e Benefícios

Além do prêmio em dinheiro, as três iniciativas vencedoras participarão de um processo de aceleração em 2021 e serão contempladas com atividades de mentoria e assessoria em gestão financeira para a aplicação dos recursos recebidos. Serão produzidos, ainda, conteúdos audiovisuais destinados a apresentar e divulgar as propostas dos dez finalistas. Por fim, o projeto prevê a ativação de uma rede de empreendedores sociais e comunidades capazes de dialogar e construir soluções conjuntas para o futuro do setor.

A definição dos vencedores está prevista para o final de novembro, quando também será apresentado o Mapeamento de Tendências de Inovação Social para o Turismo Sustentável. A publicação sistematizará o conhecimento de especialistas e empreendedores sociais no campo do turismo, além de destacar o trabalho dos semifinalistas e finalistas do desafio na composição da pesquisa. A intenção, ao final, é favorecer a replicabilidade e escalabilidade de soluções para todo o território brasileiro.

“Ao pesquisar e sistematizar as inovações do setor, queremos contribuir identificando caminhos possíveis para práticas sustentáveis no turismo” acrescenta Rafael Murta Reis. A perspectiva é que as iniciativas possam impulsionar mudanças sociais sistêmicas, seja pelas políticas públicas, por mudanças nas dinâmicas de mercado e produção, ou por uma nova mentalidade em relação à prática da atividade turística, com potencial de transformar territórios e experiências interculturais”, conclui.

 

Dia Mundial do Meio Ambiente: CTG Brasil reafirma compromisso ambiental em 2020 com diversas ações de abordagem multissetorial

Empresa planeja investir pelo menos R$ 29,8 milhões em projetos socioambientais, mantendo patamar atingido em 2019, mesmo diante de cenário desafiador causado pela pandemia de Covid-19

CTG Brasil, umas das líderes em geração de energia limpa no País, prevê investir em 2020, no mínimo, R$ 29,8 milhões em projetos socioambientais, mesmo valor destinado à área em 2019. “Neste cenário desafiador que estamos vivendo, em meio à pandemia de Covid-19, precisamos manter o foco no que é importante para o País e a preservação do meio ambiente é um dos itens essenciais”, afirma Aljan Machado, Diretor de Meio Ambiente, Saúde & Segurança do Trabalho da CTG Brasil.

O respeito e cuidado com a natureza fazem parte da essência da CTG Brasil, que gera energia 100% limpa suficiente para atender cerca de 16 milhões de brasileiros. Mas a companhia vai além, com uma abordagem multissetorial que contribui ainda mais com a preservação do meio ambiente. Para Salete da Hora, diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da CTG Brasil, “é necessário ter uma estratégia abrangente, com foco social e ambiental caminhando juntos, para que os resultados sejam mais expressivos e duradouros. O engajamento social é muito importante para alcançarmos a proteção do meio ambiente”.

A empresa atua com preservação da biodiversidade e dos recursos hídricos, reflorestamento e manutenção de áreas de preservação permanentes, monitoramentos ambientais, projetos sociais (parte com foco na preservação ambiental) e iniciativas de educação ambiental. No total, a CTG Brasil mantém 130 programas ambientais.

Para contribuir com a biodiversidade e garantir o uso adequado das áreas próximas às usinas administradas pela empresa, que somam 8.494 Km – uma área maior do que a extensão de toda a costa brasileira –, a CTG Brasil realiza monitoramento via satélite. Todas as margens das usinas foram mapeadas e são periodicamente fotografadas. As imagens, tratadas em sistema informatizado, permitem identificar pontos com mudanças ou desvios.

Além disso, apenas em 2019, a empresa reflorestou 240 hectares, uma área equivalente a aproximadamente 336 campos de futebol, a partir do plantio de cerca de 400 mil mudas de árvores, uma média de 1,6 mil mudas por hectare plantado. Outros 50,9 mil hectares são mantidos como áreas protegidas. Os cuidados com a biodiversidade também se estendem às águas dos reservatórios das usinas hidrelétricas. Um dos principais esforços nesse contexto é o repovoamento de peixes nos reservatórios, por meio da liberação, a cada ano, de 3,6 milhões de alevinos, nome dado aos peixes com poucos meses de vida.

Dentre as principais iniciativas sociais com foco em conscientização ambiental previstas para 2020, vale destacar o Museu Planeta Água, em Curitiba (PR), que será o primeiro espaço museográfico totalmente dedicado a desvendar a origem e os usos da água, em uma abordagem abrangente e multidisciplinar, apresentando aspectos científicos, históricos, sociais, educacionais e de saúde. Outro projeto patrocinado pela empresa é o Conhecendo os ODSs, que levará para escolas públicas do País um circuito de atividades em que crianças de 6 a 14 anos poderão aprender como atitudes simples do dia a dia fazem a diferença para a criação de um mundo mais sustentável, em linha com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU).

A empresa também mantém o andamento de seus projetos de Pesquisa & Desenvolvimento, com as devidas adequações de segurança pertinentes ao período de pandemia. Um exemplo é o projeto que visa facilitar o ciclo reprodutivo de espécies de peixes ameaçadas de extinção, caso da piracanjuba, utilizando uma espécie de “barriga de aluguel”. Com o uso de técnicas de biotecnologia, cientistas irão transpor gametas da piracanjuba para que se desenvolvam em outras espécies de peixes, o matrinxã e o lambari. A expectativa é permitir a reprodução artificial e em larga escala. O controle genético do mexilhão dourado e o aproveitamento de macrófitas para a produção de biocombustível, além de pesquisas em turismo sustentável, são outros projetos de P&D em desenvolvimento que trazem benefícios ao meio ambiente.

CTG doa equipamentos de saúde para combate ao coronavírus

Doação de respiradores, monitores de sinais vitais e desfibriladores para hospitais públicos de São Paulo foi anunciada em reunião com o Governador João Doria e formalizada em cerimônia com entidades chinesas presentes no Brasil

A CTG, uma das líderes em geração de energia limpa no mundo, com presença local por meio da CTG Brasil, está colaborando no combate ao coronavírus com a doação de equipamentos de saúde para auxiliar o Governo do Estado de São Paulo. Na última quarta-feira, 27 de maio, foram entregues 105 monitores de sinais vitais, 17 respiradores e 10 desfibriladores vindos da China. Os equipamentos serão distribuídos a hospitais públicos pela Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo.

A doação foi anunciada durante a reunião virtual do Comitê Empresarial Solidário, com presença do Governador João Dória e do presidente da CTG International, chairman e presidente da CTG Brasil, Zhao Jianqiang, na terça-feira, 26 de maio. Nesta segunda-feira (01), foi realizada a assinatura do termo de doação, em cerimônia online que contou com a participação de Zhao Jianqiang, além de Júlio Serson, Secretário Estadual de Relações Internacionais, Eduardo Ribeiro Adriano, Secretário Executivo da Saúde, Yang Wanming, Embaixador da China no Brasil, Chen Peijie, Cônsul-geral do Consulado Chinês em São Paulo, e Zhang Xin, Secretário Geral da Associação Brasileira das Empresas Chinesas.

“O vírus não tem fronteiras, é o inimigo comum de toda a humanidade. A CTG está cuidando da sua operação para continuar levando eletricidade para os lares e hospitais do Brasil e tomando medidas para proteger seus colaboradores e a sociedade. Estamos direcionando esforços para assumir responsabilidade social e contribuir com o salvamento de vidas, doando equipamentos médicos para assistir o estado de São Paulo no combate ao coronavírus”, afirma Zhao Jianqiang.

“O gesto da CTG nos deixa imensamente gratos. A ajuda que temos recebido dos nossos irmãos chineses tem sido importante para vencermos essa pandemia. Seja em insumos para os nossos hospitais, como os que acabaram de chegar, seja em know-how para lidar com a doença, a colaboração do povo chinês é muito cara para todos nós. Em nome do Governo de São Paulo quero agradecê-los pela parceria”, declarou Júlio Serson.

“Diante do vírus, o inimigo comum da humanidade, os povos chinês e brasileiro estão sempre juntos para combater a pandemia. Acredita-se que a doação da CTG agregará ainda mais confiança e força nesse combate local, e a China e o Brasil continuarão de mãos dadas a construir a comunidade global de saúde para todos”, afirma a cônsul-geral da China em São Paulo, Chen Peijie. De acordo com Yang Wanming, embaixador da China no Brasil, “a China é hoje o país que tem oferecido mais ajuda ao Brasil no seu combate à pandemia. Isso demonstra, mais uma vez, o espírito de solidariedade e senso de responsabilidade social das empresas chinesas no Brasil. Reflete também o fato de que os destinos dos nossos dois países são inseparáveis”.

Parcerias reforçam o combate à pandemia

A iniciativa é somada a outros esforços da CTG Brasil no combate à Covid-19. A empresa firmou parceria com o Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil (SENAI CETIQT), unidade integrante do SENAI – Departamento Nacional, para a produção de testes rápidos de diagnóstico sorológico de Covid-19, com investimento total de R$ 2 milhões, utilizando recursos de P&D Aneel. O montante aportado pela CTG Brasil faz parte dos recursos financeiros destinados ao Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Cerca de três milhões de testes serão produzidos mensalmente a partir de julho, para disponibilização ao Sistema Único de Saúde (SUS) e venda a laboratórios da rede particular. O projeto ainda conta com as parcerias da Bio-Manguinhos/Fiocruz, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da empresa de biotecnologia Advagen Biotech.

Em outra ação de combate ao coronavírus, a CTG Brasil estabeleceu uma parceria com o Instituto Senai de Inovação em Biomassa (ISI Biomassa) para a produção de 18 mil litros de álcool 70° GL gel e líquido ao longo de três meses. O produto, eficaz na prevenção do contágio pelo novo coronavírus, será utilizado na assepsia das usinas hidrelétricas administradas pela CTG Brasil e doado a entidades de regiões próximas às hidrelétricas Jupiá e Ilha Solteira. Além disso, em março, a CTG Brasil já havia enviado à China mais de 50 mil macacões de proteção química e biológica para uso por profissionais de saúde naquele país.

CTG Brasil firma parceria com o SENAI para produção de álcool gel e líquido no combate ao coronavírus

Produção de 18 mil litros será destinada à prevenção da Covid-19 nas usinas administradas pela empresa e doada a instituições próximas às hidrelétricas de Jupiá e Ilha Solteira

São Paulo, 15 de abril de 2020 – A CTG Brasil, umas das líderes em geração de energia limpa no País, estabeleceu uma parceria com o Instituto Senai de Inovação em Biomassa (ISI Biomassa) para a produção de 18 mil litros de álcool 70° GL gel e líquido ao longo dos próximos três meses. O produto, eficaz na prevenção do contágio pelo novo coronavírus, será utilizado na assepsia das usinas hidrelétricas administradas pela CTG Brasil e doado a entidades de regiões próximas às hidrelétricas Jupiá e Ilha Solteira, como a Sociedade Beneficente do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, de Três Lagoas, e Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus, de Ilha Solteira.

“Essa parceria vem se somar a outros esforços que a CTG Brasil tem empregado para colaborar com a preservação da saúde de seus colaboradores e da comunidade diante deste momento crítico que todos estamos enfrentando. O ISI Biomassa é um reconhecido centro de excelência em pesquisa e inovação e um parceiro importante que temos para esse combate”, afirmou o diretor de meio ambiente, saúde e segurança da CTG Brasil, Aljan Machado.

A diretora do ISI Biomassa, Carolina Maria Machado de Carvalho Andrade, explicou que a parceria consiste na produção do álcool 70° GL a partir do etanol proveniente de uma usina sucroalcooleira do Mato Grosso do Sul e na busca de novas formulações para o álcool gel. “Atualmente, o carbopol, espessante utilizado na produção de álcool gel, encontra-se em falta, então nossa pesquisa busca encontrar novos polimerizantes para produzirmos álcool gel”, detalhou.

Para Carolina, a parceria entre setores públicos e privados é fundamental diante da pandemia que o mundo inteiro enfrenta. “Acredito que o mundo todo está unido em busca de alternativas e soluções para melhorar as condições de vida da população no combate a essa pandemia. Vamos fazer novos projetos com o Departamento Nacional do Senai, envolvendo a capacidade da instituição de trabalhar em rede, todos com um objetivo em comum, o combate à Covid-19”, finalizou.

Parceria de longo prazo

A ação reforça o compromisso recentemente anunciado entre a CTG Brasil e toda a rede de institutos SENAI de inovação para implantação de uma plataforma nacional de cooperação técnica e científica de longo prazo. Segundo o diretor-regional do Senai, Rodolpho Caesar Mangialardo, o ISI Biomassa e a CTG Brasil já têm um bom histórico de relacionamento e a união de esforços nesse momento é ainda mais importante. “Iniciamos em julho de 2019 um projeto com a CTG Brasil para produzir bio-óleo a partir das macrófitas presentes nos reservatórios das usinas e agora fomos procurados novamente pela empresa para realizarmos essa produção de álcool. Estamos satisfeitos por mais um projeto em parceria com a CTG Brasil, principalmente agora, quando todos os esforços para o combate à Covid-19 são fundamentais”, afirmou.

 

Chavantes, uma das usinas mais importantes do Paranapanema, comemora 50 anos

Com 414 megawatts de capacidade instalada, hidrelétrica impulsionou o desenvolvimento econômico da região.

A Usina Hidrelétrica Chavantes, uma das mais importantes do rio Paranapanema, completa 50 anos no próximo dia 6 de fevereiro. Localizada na divisa do estado de São Paulo com o Paraná, entre Chavantes (SP) e Ribeirão Claro (PR), a usina possui grande relevância, contribuindo para o setor elétrico com 414 MW de capacidade instalada, energia suficiente para abastecer uma cidade de 840.000 habitantes.

“A UHE Chavantes tem importância histórica e chama a atenção por sua beleza, além de ser uma usina fundamental no fornecimento de energia elétrica para o Sistema Interligado Nacional e para o equilíbrio da bacia do Rio Paranapanema”, diz Marcio Peres, diretor de Gestão de Ativos de Geração da CTG Brasil, empresa responsável pela administração da UHE Chavantes.

As obras de construção da usina foram iniciadas em 1959 e seu primeiro grupo gerador entrou em operação em 1970. Quando foi inaugurada, a UHE Chavantes era o maior empreendimento hidrelétrico da região e um dos maiores do Estado, representando significativo impulso para o desenvolvimento do Vale do Paranapanema.

Os números da barragem impressionam. São 89 metros de altura e 500 metros de comprimento. Na construção, foram utilizados 6 milhões de m³ de material.

A UHE Chavantes se destaca ainda por ser reservatório de acumulação, com capacidade total de armazenamento de 8,8 bilhões de m³ de água, sendo 3,04 bilhões de m³ destinados à geração de energia elétrica.

Além disso, o reservatório da usina – um lago límpido de 419 km² (maior do que 57 mil campos de futebol), com bordas que se estendem por 1.085 km – banha 15 municípios paranaenses e paulistas, entre eles Piraju, Ribeirão Claro e Carlópolis.

Também está instalado na UHE Chavantes o Centro de Operação da Geração (COG), responsável por supervisionar e operar remotamente as 8 usinas da CTG Brasil no Paranapanema e duas Pequenas Centrais Hidrelétricas no Rio Sapucaí Mirim, e a Vila Técnica, base para equipes de manutenção e operação.

O nome – No início, Chavantes era chamada de Usina Itararé, por causa do rio Itararé, afluente do Paranapanema. Mas ainda no início da construção o nome foi substituído por Xavantes, numa referência ao primeiro grupo indígena da região, os índios Oti-Xavantes. A mudança na grafia, de X para CH, ocorreu apenas nos anos 1990, acompanhando a alteração no nome do município de Chavantes, sede da usina.

Laços de família – O operador de Telecom Jessé Rubens de Carvalho, 43 anos, tem sua história e de sua família intrinsecamente ligadas à Usina Chavantes. Cresceu acompanhando o pai, Claudomiro de Carvalho que começou em 1959, antes mesmo do início da construção da barragem, extraindo areia para concretagem e outros serviços, e onde permaneceu até 1982. “Me sinto privilegiado pela oportunidade de ter três gerações da família aqui na usina. A usina Chavantes é minha segunda casa”, diz.

Seu filho, Jessé Junior, 21, é Técnico de Produção Junior e está na empresa há 1 ano. “Eu era criança quando meu pai me trouxe pela primeira vez para conhecer o lugar onde ele trabalhava. Nunca esqueci a experiência de ver essa paisagem e a dimensão de uma usina hidrelétrica”, lembra Junior. “Aquilo despertou em mim o sonho de trabalhar aqui um dia. Esse sonho eu realizei. O outro, agora, é ser uma fração do homem que meu pai é.”

CTG Brasil solta meio milhão de peixes no rio Paranapanema

Solturas ocorreram nos municípios de Timburi, Salto Grande, Palmital, Taciba e Ribeirão Claro

As solturas foram realizadas no dia 20, no camping municipal de Timburi; dia 21, na Vila dos Pescadores, à jusante de Salto Grande; dia 22, no Clube Beira-Rio, em Palmital; dia 23, em Taciba; e nesta sexta-feira, dia 24, em Ribeirão Claro.

A ação faz parte do Programa de Manejo e Conservação da Ictiofauna, realizado pela CTG Brasil com o objetivo de repovoar e garantir a diversidade de peixes por meio da produção e soltura de espécies nativas. As solturas são autorizadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Os peixes são produzidos na Estação de Piscicultura, mantida pela CTG Brasil em Salto Grande. No laboratório, além da produção de peixes, são desenvolvidas pesquisas em parceria com universidades.

CTG Brasil beneficia mil pessoas com ações voluntárias

Empresa promoveu Semana do Voluntariado, que envolveu 11 instituições e a participação de 300 colaboradores

Com objetivo de fortalecer ainda mais os laços com a comunidade, a CTG Brasil, segunda maior geradora privada de energia do País, promoveu em dezembro a Semana do Voluntariado. As ações envolveram a participação de cerca de 300 colaboradores, que realizaram trabalhos em 11 instituições de municípios localizados na área de atuação da empresa.

Organizada pelo segundo ano consecutivo, a Semana do Voluntariado conta com o apoio e suporte da Atados, ONG especializada em voluntariado, e beneficiou nesta edição aproximadamente mil pessoas.

Três dessas ações ocorreram em cidades do rio Paranapanema, onde a empresa administra oito usinas hidrelétricas.

Em Porecatu, na região da UHE Capivara, por exemplo, os voluntários realizaram atividade de pintura e reparo nos brinquedos do parque infantil “Alzira Gonçalves Fernandes”. Em Ourinhos, cidade próxima às Usinas Chavantes e Salto Grande, os voluntários arrecadaram brinquedos para as crianças do Seminário de Nossa Senhora de Guadalupe, com presença do Papai Noel. E em Assis, na região das UHEs Canoas I e II, eles participaram de atividades recreativas e reformaram a cobertura do Abrigo de Idosos.

Em Três Lagoas, região da UHE Jupiá, os voluntários participaram de oficina na Associação Cultural e Ancestral Africabrasil Capoeira, para confeccionar, com participação dos alunos, instrumentos como berimbau, tambor e caxixi. Antes, em Selvíria, a ação envolveu interação com idosos do Lar do Idoso “Paulo de Tarso”.

Já em Abdon Batista, região da UHE Garibaldi, os voluntários realizaram atividades com crianças e jovens assistidos pela APAE Vida Nova.

Segundo Salete da Hora, diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade, o Programa de Voluntariado da CTG Brasil nasceu com o objetivo de incentivar os colaboradores a oferecer seu tempo e suas habilidades como forma de contribuir para o desenvolvimento sustentável das comunidades onde a empresa atua.

A escolha das instituições é feita pelos colaboradores, e as ações definidas pelos voluntários em conjunto com cada instituição. Antes de irem a campo, no entanto, todos passam por capacitação.

“Entendemos que o desenvolvimento sustentável deve permear todas as nossas atividades e, por meio dessas ações, os colaboradores têm uma oportunidade de aprender e experimentar situações que contribuirão com seu próprio crescimento, além de promover o bem para outras pessoas”, destaca Salete.

Saiba mais no Portal do Voluntariado: https://voluntariadoctgbrasil.v2v.net/pt-BR.

CTG Brasil aumenta em 50% investimentos em Pesquisa & Desenvolvimento para geração de energia limpa

Anuário 2019 mostra panorama dos 23 projetos de Pesquisa & Desenvolvimento liderados pela empresa, com foco em preservação do meio ambiente e eficiência operacional

São Paulo, 05 de dezembro de 2019 – A CTG Brasil anuncia crescimento de 50% em relação ao ano passado em seus investimentos em Pesquisa & Desenvolvimento (P&D Aneel). Em 2019, a empresa, que tem a Inovação como um de seus pilares estratégicos, está investindo R$ 12 milhões em 23 projetos, detalhados no seu Anuário P&D 2019, que acaba de ser disponibilizado em versão online.

“A CTG Brasil vem intensificando a busca e incorporação de novas tecnologias, como inteligência artificial, big data, bioprocessamento avançado, biotecnologias, redes de comunicação e Internet das Coisas. Nosso objetivo é desenvolver projetos que contribuam para a resolução dos desafios do setor, aumentem a segurança na geração de energia e gerem valor para toda a sociedade”, afirma Evandro Vasconcelos, vice-presidente de Geração e Comercialização da companhia.

Para orientar suas atividades de P&D em 2019, a CTG Brasil desenvolveu um road map tecnológico. De acordo com Vasconcelos, “o trabalho consistiu, principalmente, em identificar e mapear as principais linhas de projetos relacionadas à estratégia da CTG Brasil, por meio de workshops e entrevistas com diversas áreas da empresa”. Para os próximos cinco anos, já estão previstos investimentos adicionais de ao menos R$ 100 milhões em P&D, frutos da parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) para a criação do Clean Energy Innovation Hub, focado em projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação que contribuam com a geração de energia limpa no Brasil.

Meio ambiente e eficiência operacional são prioridades

Atualmente, quase metade do portfólio de projetos de P&D da CTG Brasil é voltada à preservação do meio ambiente. Ao todo, são 10 projetos dedicados a encontrar soluções para questões ambientais. Um exemplo, iniciado em 2019, é o desenvolvimento de tecnologias reprodutivas para preservar uma espécie de peixes ameaçada de extinção, a piracanjuba. O projeto tem investimento de R$ 7,1 milhões e é realizado em parceria com o Instituto Chico Mendes, o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Peixes Continentais e o Laboratório de Biotecnologia de Peixes.

Ainda em 2019, foi entregue a primeira fase do projeto de desenvolvimento de tecnologias para valoração do capital natural em programas de meio ambiente. O trabalho visa mensurar a despesa financeira evitada por empresas de diversos segmentos a partir da preservação do meio ambiente. Com investimento inicial de R$ 2,7 milhões, o projeto, desenvolvido em parceria com o Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPE), entrará na segunda fase em 2020, com duração prevista de três anos.

Do ponto de vista da eficiência operacional, uma das principais iniciativas foi concluída em 2019, com a criação de um modelo computacional que facilita a definição da estratégia de comercialização da energia de usinas hidrelétricas. Além disso, estão em andamento projetos de previsão de demanda e preços de energia e lastro para os mercados livre e regulado e de geração distribuída.

A CTG Brasil também está liderando o desenvolvimento de uma ferramenta computacional que busca contribuir para uma sinalização cada vez mais precisa da necessidade de acionamento de usinas de diferentes fontes de geração de energia para atendimento ao consumo de energia elétrica no País, colaborando com a correta formação de preço do insumo.

Para conhecer todos os projetos do Anuário P&D 2019 da CTG Brasil, clique aqui.