CTG Brasil anuncia investimento de R$100M em hub de inovação em energia limpa

Em parceria com o SENAI, Clean Energy Innovation Hub vai desenvolver projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no setor elétrico, fortalecendo o intercâmbio entre Brasil e China

São Paulo, 13 de novembro de 2019 – A CTG Brasil acaba de assinar um acordo de cooperação com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) para a criação do Clean Energy Innovation Hub, focado em projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação que contribuam com a geração de energia limpa no Brasil.  O investimento inicial previsto para os próximos cinco anos é de R$ 100 milhões.

O acordo foi assinado nesta quarta-feira (13/11), em Brasília (DF), por Evandro Vasconcelos, vice-presidente de geração, Liu Yujun, vice-presidente de Novos Negócios, ambos da CTG Brasil, e Robson Braga de Andrade, presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do Conselho Nacional do SENAI. A inauguração do espaço está prevista para o primeiro semestre de 2020, em São Paulo. O hub também contará com uma base na China, para intercâmbio de conhecimento entre os profissionais envolvidos no projeto.

O novo espaço iniciará suas atividades com foco em propor soluções para planejamento, gestão e segurança de usinas hidrelétricas, responsabilidade social e ambiental e eficiência energética. Outras empresas do setor elétrico e de qualquer outro mercado poderão se juntar ao hub.  “Estamos abertos para contribuir e aprender com as melhores ideias. Optamos por abrir o espaço dessa forma porque acreditamos que as descobertas de outros setores podem ser úteis para o setor elétrico também, com as devidas adaptações”, explica Vasconcelos.

O centro buscará, principalmente, financiar projetos de P&D, elaborando propostas dos Institutos de Inovação do SENAI em cooperação com universidades ou outras organizações de pesquisa e tecnologia do Brasil e da China. Vasconcelos afirma, ainda, que “o objetivo é usar ferramentas como inteligência artificial, machine learning e big data para encontrar soluções que aumentem a excelência operacional e mitiguem impactos ambientais, reduzindo riscos e custos no Brasil e em todos os países onde estamos presentes”.

O hub também irá propor desafios de inovação para startups, incluindo financiamento para projetos, e buscará desenvolver agendas com eventos, workshops e intercâmbios entre os dois países, além de promover o engajamento e o compartilhamento de conhecimentos entre pesquisadores de projetos de P&D, colaboradores da CTG Brasil e especialistas do SENAI.

As prioridades de P&D da Aneel têm sido a principal base do atual portfólio de projetos de P&D da CTG Brasil e peça-chave para a sustentabilidade e sucesso da parceria científica com o SENAI. Em 2019, a geradora deve investir R$ 12 milhões em 21 projetos de P&D, um crescimento de 66% em relação ao aportado no ano anterior.

“A rede nacional de Institutos SENAI de Inovação é a maior infraestrutura inovativa do País e está totalmente engajada no desenvolvimento de soluções inovadoras que vão ajudar na competitividade do setor elétrico no Brasil”, afirma o presidente da CNI. “A parceria com a CTG reforça esse trabalho, assim como estimula a criação de startups brasileiras na área de energia e a troca consistente de conhecimento entre Brasil e China”, complementa.

Parceria já rendeu frutos

A CTG Brasil já firma parcerias com o SENAI desde 2017, quando iniciou o projeto de controle da infestação por mexilhão dourado nas áreas das usinas hidrelétricas por indução genética da infertilidade. A iniciativa, que também tem participação da Bio Bureau, recebeu mais de R$ 2,5 milhões para reduzir os impactos negativos à biodiversidade nativa, prejuízos à pesca e problemas para o setor de saneamento, como entupimento de canos, dutos e tubulações de água, esgoto e irrigação.

Outro projeto da empresa com o SENAI é de 2019, para o aproveitamento de plantas aquáticas, conhecidas como macrófitas, na produção de biocombustíveis. Nesse caso, a duração prevista é de três anos, com investimento de R$ 4,6 milhões. A continuidade das duas parcerias será parte do escopo do hub de inovação.

Sobre a CTG Brasil

Criada em 2013, a CTG Brasil é uma empresa da China Three Gorges Corporation, uma das líderes globais em energia limpa. Com investimentos em 17 usinas hidrelétricas e 11 parques eólicos, o portfólio da CTG Brasil hoje tem uma capacidade total instalada de 8,28 GW. Segunda maior geradora privada de energia do país, a CTG Brasil conta com a dedicação de seus talentos locais e está comprometida em contribuir com matriz energética brasileira, pautada pela responsabilidade social e respeito ao meio ambiente.

Sobre o SENAI

O SENAI é o maior complexo de educação profissional e serviços técnicos e tecnológicos da América Latina. Desde que foi criado, em 1942, já realizou mais de 76 milhões de matrículas em cursos que vão da iniciação profissional, passando por cursos técnicos até a pós-graduação tecnológica. Com uma rede de 26 Institutos de Inovação e 58 Institutos de Tecnologia, o SENAI também é a maior instituição de apoio à indústria em projetos de pesquisa, desenvolvimento, inovação e serviços técnicos.

Zé Geraldo e Marcelo Jeneci estão entre as atrações do Festival de MPB de Ilha Solteira

Evento gratuito acontece entre 30/10 e 2/11, e conta com patrocínio da CTG Brasil

Zé Geraldo, Marcelo Jeneci, Lilian Jardim e Orquestra Jovem de Ilha Solteira são alguns dos shows que vão integrar a 45ª edição do Festival Nacional de MPB de Ilha Solteira, que será realizado entre 30 de outubro e 2 de novembro. Promovido pelo Ministério da Cidadania, Secretaria Especial de Cultura e Fundação Cultural de Ilha Solteira, em parceria com a Prefeitura Municipal, o evento conta com patrocínio da CTG Brasil, via Lei de Incentivo à Cultura.

No primeiro dia de evento, 30 de outubro, será a vez do show Palco Ilhense, apresentação composta por três pocket shows realizados por cantores da cidade – Djalma Djah, os irmãos Denis e Alan Ferreira (da banda Pulso Acoustic Rock), e os músicos Pedro Zuquerato e Paulim Farinha (que formam o duo Raiz de Dois).

Já na quinta-feira, 31 de outubro, o Festival será aberto com show da cantora Lilian Jardim, que fará um tributo à roqueira Cássia Eller. Já na sexta-feira, 1º de novembro, logo depois das Eliminatórias da Fase Nacional, a atração será o cantor Marcelo Jeneci, que apresentará seu novo álbum, “Guaia”, no qual volta às origens ao homenagear o bairro em que cresceu, Guaianazes, em São Paulo (SP).

No sábado, 2 de novembro, a Orquestra Jovem de Ilha Solteira abre os shows do dia, seguida das apresentações da Final Nacional e do encerramento com o cantor Zé Geraldo.

Para a diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da CTG Brasil, Salete da Hora, patrocinar ações que levem mais lazer e cultura é um modo da empresa participar do desenvolvimento das regiões no entorno das usinas e também de reforçar seu compromisso com essas comunidades. “Projetos que agregam valor para as pessoas, isso é que nos inspira”, diz Salete.

Neste ano, o 45º Festival Nacional de MPB de Ilha Solteira recebeu inscrições de 116 cidades do Brasil, de 19 Estados. Além disso, o Festival também recebeu inscrições vindas de outros três países: Colômbia, Japão e Portugal.

Livro interativo traz histórias e curiosidades sobre o rio Paraná

Obra, que terá distribuição gratuita em escolas públicas da região, tem patrocínio da CTG Brasil

A partir deste mês, cerca de 1,5 mil estudantes de escolas públicas de ensino fundamental de 53 municípios de Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais e Goiás receberão gratuitamente o livro ‘Pelos caminhos do rio Paraná’, de autoria da jornalista Ana Carolina Amaral. A obra, que também está à venda em livrarias, tem patrocínio da CTG Brasil, e foi idealizada pela Horizonte Educação e Comunicação e viabilizada por meio da Lei de Incentivo à Cultura.

Escrito em formato de livro-reportagem, ‘Pelos caminhos do rio Paraná’ conta a história e os acontecimentos mais marcantes relacionados com o segundo maior rio da América Latina, o Paraná, passando pela construção das usinas Ilha Solteira e Jupiá, consideradas grandes propulsoras do crescimento local e reconhecidas por, até hoje, levar desenvolvimento para as regiões onde estão localizadas. As duas usinas são operadas pela CTG Brasil e estão passando por um projeto de modernização – o maior em andamento no Brasil – que conta com investimento de cerca de R$ 3 bilhões

O livro, que faz parte de um amplo projeto cultural, com foco educacional, inclui guias de estudo específicos e material complementar disponíveis em www.projetorioparana.com.br.

“As comunidades do entorno de nossas usinas estão entre as nossas prioridades. Buscamos não só manter relacionamentos duradouros, mas também participar do desenvolvimento dessas comunidades, levando cultura, educação e lazer. Patrocinar esse projeto é possibilitar que cada vez mais pessoas tenham acesso à leitura e à história do rio Paraná, onde estão as principais usinas da CTG Brasil, é uma das formas de alcançarmos esses objetivos”, diz Salete da Hora, diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da companhia.

Interatividade
Para criação da obra, a autora reuniu informações e histórias sobre o rio, considerado hoje o oitavo maior em extensão no mundo. A maioria das fotos é de Ricardo Martins e Danilo Fiuza, e mostra trechos do rio e suas belezas naturais, além da rotina de populações ribeirinhas, cultura local e economia.

O livro vem acompanhado de conteúdos exclusivos que poderão ser acessados a partir de QR Codes que direcionam o leitor a vídeos com histórias, entrevistas e curiosidades sobre o rio e sua bacia hidrográfica, mostrando atividades como pesca, mergulho, turismo, produção agrícola, geração de energia e muito mais. O trabalho de captação de imagens, pesquisas, elaboração de textos e montagem da publicação durou 10 meses.

Sobre a autora
Ana Carolina Amaral é repórter de meio ambiente no jornal Folha de S. Paulo, onde assina o blog Ambiência, e ocupa a secretaria-executiva da Rede Brasileira de Jornalismo Ambiental. Jornalista formada pela Unesp e mestre em Ciências Holísticas pelo Schumacher College, desenvolveu uma proposta de jornalismo holístico para incluir o contexto ambiental na interpretação dos acontecimentos. Desde 2012 cobre conferências da ONU como a Rio+20, as negociações do Acordo de Paris e, recentemente, a Cúpula do Clima de Nova York.

Sobre a Horizonte
Desde 1984, a Horizonte Educação e Comunicação desenvolve projetos editoriais, culturais e educacionais para seus clientes. Sua especialidade está em temas de responsabilidade social, sustentabilidade e patrimônio histórico e cultural. O objetivo final de seus trabalhos é consolidar a imagem de empresas socialmente responsáveis e ambientalmente sustentáveis.

Festival cultural gratuito celebra comunidade e instituições do centro de São Paulo

Evento “Museu da Energia de Portas Abertas” trará atrações como bloco Ilú Obá de Min e peças de teatro nos dias 11 e 12 de outubro

Ruas e museus do centro de São Paulo receberão um festival cultural gratuito nos dias 11 e 12 de outubro para celebrar a convivência nos bairros da Barra Funda, Bom Retiro, Campos Elíseos e Luz.

Com mais de 20 atrações, o evento “Museu da Energia de Portas Abertas” é organizado anualmente pelo Museu da Energia, instituição patrocinada pela CTG Brasil, segunda maior geradora privada de energia do país. A ação busca integrar ações realizadas com a comunidade escolar, idosos, grupos de imigrantes, pessoas em situação de vulnerabilidade social e centros culturais parceiros.

As atividades ocorrerão dentro do museu e nas instituições vizinhas que atuam na região central da cidade de São Paulo (SP). Um dos destaques será o ensaio do bloco Ilú Obá de Min, formado por percussionistas mulheres para promover a cultura negra. A apresentação ocorre no sábado (12), às 15h, em frente ao Museu da Energia, na alameda Cleveland.

Na sexta-feira (11), interessados poderão se encontrar às 14h no Espaço Cultural Porto Seguro para uma saída fotográfica pelas ruas do bairro Campos Elíseos. Oficinas para crianças na horta comunitária, espetáculos de dança, peças de teatro e até um piquenique colaborativo também integram a programação.

“Será uma onda de ações espalhadas nos bairros históricos de São Paulo que possibilita ao público conhecer e aproveitar vários espaços culturais no mesmo dia”, diz Luciana Nemes, coordenadora do Museu da Energia de São Paulo. “O ‘Portas Abertas’ também é uma forma de agradecer todo o vínculo que construímos com a comunidade e parceiros, e fortalecer a união que segue em 2020. Juntos, atuamos em uma região vulnerável e que, ao mesmo tempo, tem muita riqueza cultural e histórica”, afirma.

“O objetivo é proporcionar uma programação relevante e divertida para as famílias”, explica Salete da Hora, diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da CTG Brasil, patrocinadora do Museu da Energia de São Paulo. “O apoio contínuo da empresa ao Museu é uma forma de colaborarmos para manter viva a memória do setor elétrico e, também, de promovermos o cenário sociocultural e educativo da capital.”

A programação completa do evento e maiores informações podem ser acessadas no site  http://www.museudaenergia.org.br/portasabertas.html.

Serviço – Museu da Energia de Portas Abertas

Datas: 11 e 12 de outubro

Informações: 11 3224-1489

Programação em http://www.museudaenergia.org.br/portasabertas.html

CTG Brasil lança página para divulgar vagas e atrair novos talentos

Oportunidades de carreira incluem usinas e escritórios da empresa

A CTG Brasil agora disponibiliza aos candidatos interessados em trabalhar na segunda maior geradora privada de energia do Brasil uma página voltada a oportunidades de carreira e espaço para cadastro de currículo. O sistema para atração e seleção de novos profissionais reúne oportunidades oferecidas pela empresa nas 14 usinas hidrelétricas e nas duas sedes administrativas localizadas em São Paulo (SP) e Curitiba (PR).

“Nosso objetivo é atrair talentos que se identifiquem com nossos valores. Temos a diversidade e o respeito em nosso DNA, e o compromisso de oferecer a todas as pessoas que vêm para o nosso time a oportunidade de se desenvolver e crescer com a gente”, afirma a diretora de Recursos Humanos da CTG Brasil, Giovanna Poladian.

Algumas das oportunidades abertas atualmente são para a área de Manutenção nas usinas Jupiá, no Rio Paraná, e Capivara e Chavantes, no Rio Paranapanema.

Para se candidatar, os interessados devem acessar a nova página da CTG Brasil em https://jobs.kenoby.com/ctgbrasil. Lá, é possível conhecer mais sobre o perfil da empresa, cadastrar o currículo no banco de talentos para futuras oportunidades ou já conferir os requisitos e se candidatar para uma das vagas abertas.

Alunos de Selvíria participam de plantio de mudas às margens do Rio Paraná

Ação, em comemoração ao Dia da Árvore, foi promovida pela CTG Brasil e Prefeitura do município 

A CTG Brasil e a Prefeitura de Selvíria realizaram na manhã desta quarta-feira, 18, o plantio de mudas para a recuperação de parte de uma área de 8 hectares de preservação permanente na região do reservatório da Usina Ilha Solteira, no Rio Paraná.

Cerca de 50 pessoas participaram da atividade, incluindo alunos das escolas municipais Prof.º Nelson Duarte Rocha e Joaquim Camargo, equipes da CTG Brasil e autoridades, como o prefeito de Selvíria, José Fernando Barbosa.

A ação, integrada à programação da cidade para celebrar o Dia da Árvore, comemorado em 21 de setembro, marca também o fim do trabalho de desmobilização e regularização ambiental da área, iniciado em 2018 dentro do Espaço Legal, campanha da CTG Brasil que usa o diálogo para reforçar junto às comunidades a importância do uso consciente e regular das margens dos reservatórios.

“Esse trabalho, desenvolvido com o apoio do poder público, é um exemplo de restauração de uma área por meio da conscientização e educação ambiental, que traz benefícios para toda a população da região”, afirma Ivan Toyama, gerente de Patrimônio Imobiliário da CTG Brasil.

Para o prefeito de Selvíria, José Fernando Barbosa, a ação é importante pois une preservação e conscientização ao mesmo tempo em que visa oferecer uma área restaurada à população. “Por meio da parceria com a CTG Brasil, esperamos oferecer mais qualidade de vida à comunidade e aos frequentadores do local, ao mesmo tempo em que conscientizamos sobre a importância de se preservar a natureza”, disse ele.

Com a restauração da área, a CTG Brasil e a Prefeitura de Selvíria vão analisar a viabilidade de um contrato de cessão de uso para transformar o local em uma área pública de lazer.

Dia da Árvore – Entre as atividades da Prefeitura de Selvíria para comemorar o Dia da Árvore, está programado para sábado, dia 21, o 3º Passeio Ciclístico – Pedalando Pelo Verde, com o plantio de 400 mudas na Avenida Profª Marilucia Torres Laluce. As mudas, de árvores frutíferas e ornamentais, foram doadas pela CTG Brasil.

CTG Brasil anuncia laboratório de inovação em parceria com a ACATE

Projeto tem como objetivo fomentar a inovação e a transformação digital dos negócios da geradora

A CTG Brasil, segunda maior geradora privada de energia do País, se uniu à Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE) para anunciar a criação do seu primeiro laboratório de inovação no País. O Digital Innovation Lab faz parte de uma parceria entre as duas organizações e tem como objetivo fomentar a inovação e a transformação digital dos negócios da geradora.

Com a criação do laboratório de inovação e a parceria com a ACATE, a CTG Brasil avança na promoção da cultura de inovação na organização. Todo o projeto será desenvolvido a partir da aplicação de metodologias de gestão adotadas por empresas startups, como Lean Startup, Design Thinking e Scrum, cujos conceitos serão disseminados entre os colaboradores da empresa.

Além do fomento à cultura da inovação, colaboração e da disseminação dos conceitos de método ágil de gestão, a iniciativa irá acelerar projetos da área de Tecnologia da Informação (TI) aderentes ao Programa de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). O investimento total do projeto é de R$ 2,4 milhões.

“Com a implementação do Digital Innovation Lab e por meio do programa de P&D ANEEL, estamos aproximando a companhia do ecossistema de inovação brasileiro, construindo uma conexão com startups, universidades e empresas. Vamos utilizar todo o ecossistema ACATE para atender demandas de TI com uma visão inovadora, com foco em colaboração e agilidade”, afirma José Renato Domingues, vice-presidente Corporativo da CTG Brasil.

Mapeamento e solução para desafios
A parceria prevê o desenvolvimento do projeto em duas fases, com duração total de 24 meses. Na primeira etapa, de seis meses, o time da ACATE irá realizar uma imersão na CTG Brasil, mapeando os principais desafios, a estratégia, a cultura organizacional, o capital humano e os sistemas de TI usados. Ao longo desta fase, será realizada a estruturação do Digital Innovation Lab, que será implementado na cidade de São Paulo, sede da geradora.

Uma vez identificados os principais desafios de TI, serão priorizadas a sequência de trabalho e a definição das equipes alocadas para cada um dos projetos (conceito de squads). Cada grupo, a partir de então, irá definir as hipóteses e o plano de ação para a construção de um produto mínimo viável (MVP, sigla em inglês) para endereçar os desafios definidos. A aprovação das propostas ocorrerá em um “pitch” de cada squad ao Comitê de Inovação da CTG Brasil.

Com o MVP dos desafios aprovados, tem-se o início da segunda fase do projeto. A expectativa é que, no começo desta etapa, ocorra também a inauguração do laboratório, que ficará dentro do novo hub de inovação da ACATE em São Paulo em endereço em fase final de definição. O local irá abrigar o time da ACATE e as startups que irão desenvolver as soluções definidas anteriormente.

Para Daniel Leipnitz, presidente da ACATE, a criação do laboratório de inovação vai trazer resultados efetivos e, principalmente, melhorias para os processos que a CTG Brasil desenvolve hoje em dia. “Mais do que isso, a parceria da empresa com a ACATE vai possibilitar que eles estejam ainda mais próximos do nosso ecossistema de tecnologia e inovação, tendo maior contato com as startups e com diferentes projetos inovadores.”

Investimentos em Inovação
A criação do Digital Innovation Lab está em linha com o objetivo da companhia de se posicionar como uma provedora de soluções para o setor elétrico. Em 2019, a geradora irá investir R$ 12 milhões em 21 projetos de P&D, crescimento de 66% em relação ao montante aportado em 2018.
Entre as principais iniciativas em desenvolvimento pela companhia e seus parceiros estão uma pesquisa para transformar macrófitas, uma planta aquática presentes nos reservatórios das usinas, em biocombustíveis e uma pesquisa de controle biotecnológico do mexilhão-dourado para reduzir a reprodução da espécie, considera invasora nas bacias hidrográficas brasileiras.

CTG Brasil reúne 400 crianças em ações de educação ambiental em comemoração ao Dia do Rio Paranapanema

Ações de visita à piscicultura e de soltura de peixes aconteceram em Salto Grande (SP) nos dias 27 e 28

Em comemoração ao Dia do Rio Paranapanema, celebrado nesta terça-feira, 27 de agosto, a CTG Brasil reuniu essa semana cerca de 400 crianças em ações de educação ambiental em Salto Grande (SP). Na terça-feira, dia 27, a empresa abriu as portas da sua Estação de Piscicultura para a visita de aproximadamente 100 alunos de 8 a 11 anos das escolas municipais Profª Coraly de Souza Freire e Profª Thereza Favali Pocay.

Durante a visita, as crianças conheceram mais sobre o trabalho realizado na estação, que produz anualmente 3,6 milhões de peixes utilizados nas ações de soltura e repovoamento nos reservatórios da empresa. Na estação também são desenvolvidas pesquisas em parceria com universidades.

Já nesta quarta-feira, 28, a ação de educação ambiental aconteceu na beira do rio. Cerca de 400 crianças de escolas municipais, incluindo os 100 alunos que já haviam visitado a Estação de Piscicultura no dia anterior, participaram da soltura de peixes realizada pela CTG Brasil no Balneário Municipal. Além de repovoar os rios e reservatórios, as solturas têm como objetivo garantir a diversidade de espécies nativas de cada região. Nessa soltura, foram 15 mil alevinos da espécie Curimbatá.

As ações contaram, ainda, com a presença do prefeito João Carlos Ribeiro, e representantes das secretarias de Educação e de Meio Ambiente do município.

“Participar da vida das comunidades nas regiões em que atuamos e trazer as comunidades para as nossas ações é uma maneira de colaborarmos para o desenvolvimento delas e também para a conscientização sobre a importância e o papel de cada um na proteção ao meio ambiente”, reforça Leandro Barbieri, coordenador de Meio Ambiente das usinas da CTG Brasil nos rios Paranapanema e Sapucaí-Mirim.

Hidrelétrica Salto Grande promove ação para controle de plantas aquáticas

Rebaixamento do reservatório ocorre anualmente para exposição e retirada das plantas; ação é realizada em parceria com a prefeitura

A CTG Brasil inicia neste domingo, dia 01/09, o rebaixamento do reservatório da Usina Hidrelétrica Salto Grande. A ação, que tem como objetivo o controle das plantas aquáticas, se estende até o dia 14/09 e é realizada em parceria com a prefeitura de Salto Grande. Nesse período, o nível do reservatório da usina será rebaixado para a faixa de operação entre 382,00 a 382,50 metros acima do nível do mar. A faixa de operação normal do reservatório é entre 383,80 e 384,67 metros.

Com a redução do nível do reservatório, as plantas aquáticas ficam expostas na região seca e se desidratam, o que facilita a coleta e remoção. O procedimento de redução do nível do reservatório está alinhado com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e Marinha do Brasil, e autorizado pelo Instituto Nacional do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Realizado anualmente, o controle preventivo ocorre sempre no período que antecede o brotamento de novas plantas. A ação tem parceria com a Prefeitura de Salto Grande, que, entre os dias 11 e 13/09, promoverá a coleta dos materiais. “A redução do nível da água expõe as plantas aquáticas nas bordas do reservatório, possibilitando sua remoção pela prefeitura”, explica Aljan Machado, diretor de Saúde, Segurança, Qualidade, Meio Ambiente e Patrimônio da CTG Brasil.

A redução das plantas diminui a chance de perda momentânea de potência das turbinas, garantindo a disponibilidade de energia, e colabora também para o meio ambiente e para os usos múltiplos do reservatório por toda a população local. “A ação contribui para a exploração sustentável do turismo, a navegação, a pesca esportiva, além de influenciar na captação de água para o abastecimento público, a piscicultura e a irrigação”, complementa Machado.

O meio ambiente também é favorecido com o controle das plantas aquáticas. Com a redução das plantas, a tendência é ampliar o fluxo de água nos braços do reservatório de Salto Grande, além de aumentar o oxigênio no período noturno, favorecendo as populações de peixes.

Gestão Sócio Patrimonial se torna cada vez mais estratégica para o setor elétrico brasileiro

Empresas geradoras e transmissoras de energia se reuniram em São Paulo para discutir os principais desafios do tema para usinas e linhas de transmissão

A necessidade de compatibilizar os usos múltiplos do solo e dos recursos hídricos, com a construção de um relacionamento com as comunidades e a constante evolução da legislação ambiental tem tornado a gestão sócio patrimonial de ativos de geração e transmissão um tema cada mais relevante para o setor elétrico. Essa é a principal conclusão do Workshop Gestão Sócio Patrimonial, promovido pela CTG Brasil e ISA Cteep com apoio da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Durante dois dias, executivos das principais empresas de energia do País e acadêmicos estiveram reunidos em São Paulo para discutir os principais desafios e tendências em gestão sócio patrimonial e compartilhar as melhores práticas. “Com o avanço das tecnologias de georreferenciamento e das imagens via satélite e drones, o tema vem ganhando cada vez mais relevância e adquirindo um caráter estratégico dentro das empresas”, afirma o diretor de Saúde, Segurança, Qualidade, Meio Ambiente e Patrimônio da CTG Brasil, Aljan Machado, no discurso de abertura sobre o tema.

Um dos principais desafios para as empresas é conciliar o crescimento social ao redor de hidrelétricas e linhas de transmissão com a segurança da população e a preservação do meio ambiente. Para lidar com esse cenário cada vez mais complexo, as elétricas têm ampliado os seus investimentos em inovação de processos, ferramentas e novas tecnologias para realizar uma gestão mais adequada dos seus ativos e atuar de forma mais preventiva.

Além do avanço no uso das geotecnologias e de imagens de satélites, foi consenso que uma gestão socio ambiental estratégica passa pela construção de um relacionamento saudável com as comunidades em torno dos ativos e pela parceria com os órgãos ambientais de fiscalização e prefeituras para coibir as ocupações irregulares das bordas dos reservatórios e das faixas de servidão das linhas de transmissão.

Outro aspecto destacado pelos participantes como desafiador no contexto brasileiro é o ambiente jurídico-regulatório. Se por um lado o setor elétrico evoluiu na definição das regras de venda de bens vinculados aos serviços de geração, transmissão e distribuição, há pontos de aperfeiçoamento no que diz respeito à reversão dos ativos ao final dos contratos de concessão e aos processos legais realizados em cartórios. Estas questões vêm trazendo preocupação para os empreendedores, que buscam soluções como as discutidas durante o Workshop.

Gestão Patrimonial na CTG Brasil

Presente em 10 estados do Brasil e administrando 8,494 mil quilômetros de extensão de bordas de reservatórios, o desafio da CTG Brasil na gestão sócio ambiental é significativo. Para efeito de comparação, essa extensão é 13% maior do que a faixa litorânea brasileira, o que demonstra a complexidade do assunto. “Na CTG Brasil, os indicadores de gestão sócio patrimonial são acompanhados e discutidos pela alta direção da empresa, o que demonstra a relevância do tema”, diz Machado.

Para garantir o compromisso de desenvolvimento sustentável de suas operações, a CTG Brasil desenvolve uma série de iniciativas voltadas à gestão dos seus ativos. Uma das principais iniciativas é o projeto Espaço Legal, um guia disponibilizado às comunidades para a preservação das margens dos reservatórios. Outras ações são o monitoramento por imagens de satélites dos reservatórios das usinas, a estruturação de um centro de monitoramento de gestão patrimonial e a operação do sistema de informações geográfico em operação para gestão territorial.

Realizado nos dias 21 e 22 de agosto, esse é o segundo ano em que o Workshop de Gestão Sócio Patrimonial foi realizado pelos agentes do setor elétrico.